HOME SOBRE CONTATO FREEBIES CLIPPING

O QUE VOCÊ ESTÁ ESPERANDO?


27 abril 2017


Parei pra pensar sobre a vida. Sobre todas as coisas que me ocorreram, é bom refletir e repassar os momentos na sua memória. Te faz ter uma visão diferente de como as coisas realmente são. Queria poder dar um jeito de preencher esse vazio que vem e volta me deixa agoniada. O quarto está meio escuro e eu fechei a janela só pra não olhar pra fora. Sei que o céu está belo e cheio de estrelas brilhantes. A porta está encostada e por mais que  eu queira abri-la não quero sair por ela para ir atrás de você. Estou aqui sentindo falta de te ver assistindo todos os filmes, ouvindo todas as músicas e lendo todos os livros possíveis. Tudo porque estou tentando preencher a falta de você. Quero te falar que não é tão fácil. Quero te confessar tudo que passei para que você entenda antes que fuja e eu fique aqui sozinha como estou agora. 

Os pensamentos enchem minha cabeça, a saudade me persegue e eu queria poder dizer que posso esquecer tudo que me atormenta em um piscar de olhos. Te disse o que penso, te disse o que sinto. Era isso que eu precisava. Você é o medo e ao mesmo tempo que eu temo eu quero arriscar. Você é a dúvida, a incerteza de um coração que já acreditou demais em quem não deveria. Mas a quem eu posso culpar? A mim? Por não saber diferenciar quando as pessoas mentem tão bem? Estou extasiada e sigo diante a escuridão mesmo não enxergando nada porque sua mão está me guiando pelo caminho. Me leve até o céu, deixe tudo ganhar vida. Me faça ver como o mundo pode ser colorido. Estou no come do paraíso e agora não posso deixar essa sensação. Cada toque da sua pele me faz querer mais e mais. Me faz tentar adivinhar o que aconteceu para que eu me sentisse assim.  Meu coração está me chamas, e só você sabe como atea-lo fogo. 

Estou te deixando guiar o caminho porque não consigo pensar direito. Minha cabeça está girando. Eu não me importo, talvez eu não deva mesmo pensar. Não me deixe pensar, não espere. Por que você está hesitando? Diga o que sente. Diga que sou importante pra você, porque com certeza você é pra mim. O que você está esperando? O que mais quer? Estou envolvida em algo que me faz perder os sentidos e ser alguém diferente da garotinha atual que todos parecem conhecer. Com você eu sou a mulher. A menina. A criança. A desajeitada. A atrapalhada. A ciumenta. A chata. A mistura de algo que eu nem sei bem. É um complexo maluco de várias formas que dão certo, porque estou com você. Junte tudo isso e acrescente todas as sensações e sentimentos. Obtemos uma coisa incrível e maravilhosa. Algo que quero construir com cuidado e calma. Algo que quero que dure por muito tempo. Algo que quero que faça parte da minha vida. Então, o que você ainda está esperando?

CARTA PARA MIM MESMA


18 abril 2017


Às vezes, em algumas crises, algumas pessoas conseguem descobrir algo que faça com que melhorem. Eu aprendi a escrever para mim mesma, e vou mostrar esse texto pessoal pra vocês, agora não mais tão pessoal, porque espero que isso faça com que alguém fique bem, melhor, e continue aguentando. Quem sabe, pense em querer fazer o mesmo ou achar outra coisa que ajude a melhorar quando as coisas complicarem.

Olá. Eu sei que hoje não foi um bom dia. Não me expulse ainda ou me faça parar.
Eu queria te deixar saber que não importa o quanto o mundo tente te colocar no chão, eu ainda tenho orgulho de quem você é. E orgulho por não se render e desistir. Tudo bem chorar nas crises,dizer coisas horríveis pra si mesma, sem nem se desculpar. Tudo bem. Você passou por mais uma. De tantas.

E sabe, acho que concorda comigo, até que é bonito existir.

Sabemos que todos que passam por isso são corajosos e lutam de um jeito muito forte. Sabemos que apreciam as pequenas coisas. Que ficam felizes em saber que não estão com ânsia, que estão comendo bem, que não estão tão desanimados hoje. Ficam feliz só por não se sentir tão mal, se sentir feliz ou bem, mesmo que em um curto momento, em vez de enfezar por não ser assim toda hora. Bem... Às vezes, você faz isso. Mas continua bem por ter tido um momento de paz, e sua esperança continua. Isso prova que você não é fraca e que nunca foi.

Lembra do ursinho do hospital? Aquele que você teve que ficar (nada relacionado a esse motivo), em que tomava várias injeções quando era pequena. Seu pai disse que ele era um companheiro. Ele aceitou tomar as injeções com você. Você sabia que as dele não doíam de verdade e nem tinham nada dentro, mas ele estava ali e isso bastava. Você não ligava tanto pra deixar esse lugar. Mas lembra quando disseram que isso poderia acontecer logo e você se desesperou por não ter vencido a você mesma? Se desesperou por saber que não fez algo incrível e deixou sua marca no mundo?

Lembra quando sua prima chegou chorando e pedindo pra sair logo e o quanto isso te fez chorar depois? Uma amostra de que é importante naquele lugar com comida sem gosto e paredes sem tinta. Então, eles disseram que você poderia sair e estava tudo bem e você saiu feliz e querendo fazer o melhor pra você.

Sabemos que não foi bem assim. Algumas crises te empurravam tanto que era difícil levantar. E mesmo sem elas o desânimo te frusta tanto e te impede tanto. Mas você nunca desistiu e eu sei que não vai. 

Você tenta sorrir pra todo mundo, não pra fingir que se sente bem, mas para que as outras pessoas fiquem. Você quer realizar os seus sonhos. Quer ser feliz de verdade e ficar sem ânsia todos os dias. Sem desânimo. Não quer ter dias aleatórios pra tremer, chorar, não sentir seu corpo. Mas tudo isso ainda acontece, e tudo bem. Mas a fé no mundo e na mudança que te levam adiante me deixam orgulhosa de quem você é. Você pergunta pras pessoas se elas se importam quando diz a si mesma que não. Você acredita que esteja errada, isso é um começo. Você diz que vai parar de tremer e não se importa de chorar tudo o que o corpo manda. Não se importa de conversar com alguém e pedir ajuda até se sentir um pouco melhor. Você começou a aprender a controlar suas crises, e nem sabia disso. E isso te deixou tão feliz agora que você quase chorou, ainda não por ter acabado, mas por ter coragem o suficiente pra se dar uma chance, pra pedir ajuda, mesmo no meio dela.

Ela pode ter armadilhas mais forte, mas nunca mais que você. Você tem esperança e isso é mais forte do que ela. Do que todas elas. Eu tenho orgulho de quem você é. E saber disso te deixa bem.

Quando se tem orgulho de quem é, mesmo sabendo que cai muito, que passa por coisas horríveis, isso te traz esperança e coragem. E quem pode pedir mais do que isso?

Você não tem que lutar contra o mundo. Tem que estar com ele. Sentir o ar, as sensações boas no meio das ruins e a felicidade onde é quase impossível de se ver. A sua vida poderia ter um caminho trilhado pra coisas horríveis, mas você abriria uma fenda no tempo, atravessaria um buraco de minhoca e faria com que o caminho florescesse e o percurso e onde está querendo chegar, se transformassem em um jardim incrível e um caminho mais ainda.

Continue respirando. Você consegue. Conseguiu até agora e vai continuar conseguindo, até ser realmente e completamente feliz. Então o orgulho de si mesma se transforma em um tipo de admiração pela vida. Vamos chegar lá um dia. Só, se puder, por favor, bem... aceite isso.

6 MOTIVOS PARA VER 13 REASONS WHY


16 abril 2017


Talvez seja um pouco repentino, um pouco polêmico. Mas não podemos negar o fato que ela está sendo a série mais falada do momento desde que foi disponibilizada na Netflix. Então por que não falar mais um pouco? Porém, antes de mais nada se você for uma pessoa mais sensível do que o resto das outras, se seu psicólogo/psiquiatra disser para você que não é sensato você assistir essa série, então por favor, não assista. Reconheço que, por mais que seja uma série com temas que devem ser abordados, discutidos, ela contém cenas que podem te deixar pior do que já está.

1. É MUITO MAIS QUE SUICÍDIO

Quem já foi adolescente – ou ainda é – sabe que essa fase “difícil” tem seus prós e contras. Ainda mais se você for diferente das outras pessoas. Ou você é da turma popular do colégio, ou você anda com os “perdedores”. Ou nenhum dos dois, você pode ser o cara que tenta ser amigo de todo mundo e ao mesmo tempo tenta ser o mais imparcial possível. Ou você vai achar a época mais excitante da sua vida ou vai tentar vivê-la – ou sobrevivê-la – até essa fase ter passado. Temas como bullying, violência sexual e psicológica, depressão são abordados de forma implícita e explicita no seriado, o que nos leva ao próximo tópico.


2. REPENSAR ATOS

Para Hannah, tudo começou a desmoronar quando por uma “brincadeira” ela se torna motivo de boatos na escola. Boatos esses, que se formos parar para pensar, já presenciamos por nós mesmos em nossas vidas. Aquele (a) colega que deixamos de falar ou nunca falamos porque se fizermos isso pode manchar nossa reputação. Aquela foto que viralizou por toda escola e mesmo que você não tenha repassado, guardou para si para lembrar que  alguém é mais ferrado do que você, então está tudo bem." Quando eu li o livro, eu estava no Ensino Médio e antes, eu nunca tinha parado para pensar nos meus atos e o que eles encadeavam. Eu fazia parte daqueles que tentava ser amigo de todo mundo e não me envolver muito para não me complicar depois. Vivia na biblioteca e era – sou – tímida, mas isso nunca me impediu de conversar com as pessoas. E o que mais percebia quando conversava com determinadas pessoas, é que elas sempre tinham algo para contar, e muitas vezes eram sobre outras pessoas. Coisas essas que, por mais que fossem excitantes na época, eram apenas boatos. Boatos esses que, para alguém, foi a coisa mais covarde que já fizeram com ela e eu, na minha ignorância, perpetuei de uma forma que não me orgulho.


3. ABRE NOSSOS OLHOS

Então, tanto a série quanto o livro nos abrem os olhos exatamente para isso. O que nossas ações podem causar. Sobre como fechamos os olhos para o que acontece ao nosso redor e como podemos mudar essa situação. Tanto o bullying, quanto o suicídio. Quantos amigos passam por problemas e não percebemos pelo simples fato de não querermos enxergar isso? Que a falta de empatia pode ser um tanto prejudicial para outras pessoas que só precisam de “ E ai, como está?”, na vida delas. O que um “ Não tenho nada a ver com isso” pode machucar mais do que um tapa. Nos mostra que – aproveitando uns dos tweets que vi esses dias - bullying não é brincadeira, depressão não é frescura, suicídio não é para chamar atenção estupro não é culpa da vítima. Somos diferentes e por isso a tendência é reagir de diferentes formas para determinadas situações. Não julgar e tentar entender o que o outro sente pode ser o primeiro passo para até salvar uma vida.


4. A BUSCA POR AJUDA

De acordo com algumas notícias, o número de pedidos de ajuda aumentou consideravelmente porque as pessoas se identificavam com que a personagem passou na série. E isso é um fator positivo, pois só nos mostra o quão importante a série se torna e que precisamos falar mais abertamente sobre os temas que ela abordou para que outras pessoas não se sintam perdidas, ou sozinhas.

5. A FALTA DE DIÁLOGO ENTRE PAIS, ESCOLA

Não podemos negar que a violência está por todo lugar, principalmente nas escolas. Começa com um apelidinho ali, um empurrãozinho acolá, e quando vemos a escola é o último lugar que queremos estar. Também vemos que dialogar com os pais está se tornando meio difícil nos últimos tempos – quem sabe, quase impossível – pois os jovens veem os pais como uma barreira a ser ultrapassada e os pais (não todos, por favor) veem os filhos como problemáticos, difíceis de lidar e que é impossível conversar com eles. A serie nos mostra o quanto o dialogo nos faz falta, tanto na escola quanto dentro de casa e que devemos nos atentar a isso. De como nós deveríamos abrir portas para o debate, conversar sobre esses assuntos considerados ainda hoje, por mais que estejamos no século XXI, tabus.  


6. VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHO

Por mais que você se sinta sozinho na maior parte do tempo, que as vezes você pense que não irá fazer diferença nenhuma se você estiver vivo ou não, acredite, você não está só. Você faz toda diferença no mundo de alguém. Por mais que seja difícil acreditar as vezes, sempre terá alguém que se importa com você. Somos humanos, nossa tendência é errar. Converse com alguém, diga o que está sentido. Esses podem ser os primeiros passos para alguém saber o que está acontecendo, para você entender que não está só, que está tudo bem pedir ajuda.


E para finalizar, quero dizer que, o livro, a série mudou minha perspectiva de ver o mundo. De como nossas atitudes podem fazer diferença na vida de alguém, tanto positiva quanto negativamente. Que o silêncio as vezes não é uma opção viável. Que a vida é algo muito sensível. Que o mundo pode ser cruel as vezes. Que podemos ser tanto uma Hannah Baker quanto um dos porquês. Que tudo bem pedir ajuda.

Filhos, conversem com seus pais, pais conversem com seus filhos. Escola, abracem mais seus alunos, os escutem. Isso pode fazer uma grande diferença. Que o setembro amarelo seja o ano todo e não só um mês.

Centro de Valorização a Vida: http://www.cvv.org.br/

LANÇAMENTOS DE ABRIL + WISHLIST


14 abril 2017


L A N Ç A M E N TO S    D A    R O C C O

A COR DE CORALINE



Coraline e Pedrinho estão na escola, em uma atividade corriqueira. Então, o menino pede emprestado o lápis cor da pele. Antes de escolher o lápis e entregar a Pedrinho, Coraline reflete sobre o pedido e suas múltiplas respostas. A menina analisa o conteúdo da sua caixa de lápis: há doze deles, de doze cores diferentes e com doze nomes com os quais ela está mais que familiarizada. Mas essa tal “cor de pele” ela não consegue identificar logo. E que cor é essa? Nas páginas que se seguem, Rampazo, autor das ilustrações e do texto, desfila em diversos tons as ideias da criança sobre cores e pele, extrapolando o real e permeando o campo da fantasia.

O LIVRO DE SANGUE E SOMBRA

Um atraso para um encontro com os amigos e a vida de Nora Kane muda para sempre. Seu melhor amigo está morto, seu namorado desaparecido. O livro de sangue e sombra é o novo sucesso da jovem norte-americana Robin Wasserman. Uma trama de suspense surpreendente onde a jovem Nora Kane tenta entender o que aconteceu com seus amigos: Cris está morto, Adriane em choque e Max desaparecido. Nora conseguiu um estágio em uma nova escola, longe de seu passado, e parece que tudo está caminhando bem. Tem novos amigos, um namorado e adora seu trabalho. Parte de uma pesquisa maior, sua função é traduzir uma leva de antigos manuscritos do latim. Mas uma misteriosa revelação a torna alvo de uma obscura sociedade secreta impulsionada por um louco desejo de possuir algo que nem deveria existiria, o Lumen Dei, um aparelho capaz de abrir um canal direto com Deus. O livro de sangue e sombra leva o leitor a uma viagem por Praga e sua peculiar história e incrível arquitetura.

QUANDO TUDO FAZ SENTIDO


No dia em que Liz Emerson tentou morrer, a aula de física havia sido uma revisão das Leis de Newton. Até o ponto em que sai da estrada, derrapa na neve e bate com sua Mercedes contra uma árvore, ela ainda tenta entender o significado de aceleração, movimento, força e, especialmente, de reação. Para própria surpresa, de repente, claro como o céu azul daquela tarde, tudo começa a fazer sentido, mas agora parece ser tarde demais. Os paramédicos trabalham rápido para remover o corpo de Liz das ferragens. Em algum lugar bem longe dali, Monica Emerson é avisada que a filha sofreu um acidente. A notícia chega logo também à melhor amiga, Julia, que larga tudo que está fazendo e corre para o hospital. Elas nem percebem a presença de Liam Oliver, que parece estar ali sentado, esperando alguma mudança no quadro de Liz e sussurrando que ela precisa ficar viva, desde sempre.

L A N Ç A M E N T O S    D A    A R Q U E I R O

UM MENINO EM UM MILHÃO


Quinn Porter é um guitarrista de meia-idade que nunca conseguiu deslanchar na carreira. Enquanto aguardava sua grande chance na música, foi um marido e pai ausente, e jamais conseguiu estabelecer um vínculo afetivo com o filho, uma criança obcecada pelo Livro dos Recordes e algumas peculiares coleções. Quando o menino morre inesperadamente, alguém precisa substituí-lo em sua tarefa de escoteiro: as visitas semanais à astuta Ona Vitkus, uma centenária imigrante lituana. Quinn assume então o compromisso do filho durante os sete sábados seguintes e tenta ajudar Ona a obter o recorde de Motorista Habilitada Mais Velha. Através do convívio com a idosa, ele descobre aos poucos o filho que nunca conheceu, um menino generoso, sempre disposto a escutar e transformar a vida da sua inusitada amiga. Juntos, os dois encontrarão na amizade uma nova razão para viver. Um menino em um milhão é um livro sensível, poético e bem-humorado, formado por corações partidos e aparentemente sem cura, mas unidos por um elo de impressionante devoção pessoal.

LIGEIRAMENTE PERIGOSOS


Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção. Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente. Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.

DOIS A DOIS



Com uma carreira bem-sucedida, uma linda esposa e uma adorável filha de 6 anos, Russell Green tem uma vida de dar inveja. Ele está tão certo de que essa paz reinará para sempre que não percebe quando a situação começa a sair dos trilhos. Em questão de meses, Russ perde o emprego e a confiança da esposa, que se afasta dele e se vê obrigada a voltar a trabalhar. Precisando lutar para se adaptar a uma nova realidade, ele se desdobra para cuidar da filhinha, London, e começa a reinventar a vida profissional e afetiva – e a se abrir para antigas e novas emoções. Lançando-se nesse universo desconhecido, Russ embarca com London numa jornada ao mesmo tempo assustadora e gratificante, que testará suas habilidades e seu equilíbrio emocional além do que ele poderia ter imaginado.
© Kézia Martins / Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design
Tecnologia do Blogger.