HOME SOBRE CONTATO FREEBIES CLIPPING

APENAS UMA GAROTA NO TREM


24 setembro 2017


Gosto de olhar para a janela e observar as pessoas. Suas expressões, seus rostos, suas vidas. Imagino se elas são mais felizes, se elas sentem o mesmo que eu, se algum dia virão a sentir. Imagino nomes, histórias e finais felizes do jeito que quero. Talvez seja minha forma pessoal de me consolar. De fechar os olhos e fingir que não estou sentindo o que estou agora. Esse vazio. Essa sensação de que minha vida se perdeu e eu não sei o exato momento que comecei a deixa-la ir ladeira abaixo. Talvez seja pra ser assim e isso me consome cada vez mais um pouco. Fico pensando onde estarei quando essas coisas me consumirem por completo. Estou tentando superar. Tentando achar um propósito nisso tudo e ai repito pra mim mesma que vou parar com isso. Mas no final? Acabo insistindo de novo e de novo. Parece que não consigo parar. Foge ao meu controle. Quase todas as vezes que fecho os olhos posso ver as imagens da minha vida no passado. Quando eu era feliz, ou pensava que era. Agora, já não faz mais tanta diferença. E toda vez que eu olhava por aquela janela, eu me via em uma mulher que nem ao menos conhecia. Me ligava a ela. Me fazia sentir do mesmo jeito que eu me sentia antes. Me fazia me sentir de um jeito que eu não sinto faz tempo e que sinto falta desesperadamente.


Não quero ser esse tipo de pessoa sabe? Sei o que as pessoas pensam. Está estampado na cara delas toda vez que me sento no mesmo lugar e observo as coisas pela janela. Está bem ali quando elas me lançam olhares entristecidos e até poderia dizer que de pena. É como se talvez elas soubessem o que estou passando, o que estou sentindo. Isso me incomoda porque ninguém pode imaginar como é. Como me senti, o que passei. O que aconteceu depois de eu ter meu coração quebrado. Depois de eu ter caído na real de que as coisas nunca poderiam voltar a ser como eram. Não, da mesma forma. E ai me pego chorando ou divagando no meio da noite, no meio do dia. Já nem tem mais um momento certo. Chego a me entorpecer para não sentir, não lembrar, não seguir em frente mesmo precisando. Tudo que eu tinha foi tirado de mim. As vezes vago pela rua, passo pelas pessoas ao meu redor. Passo pela vida que eu costuma ter. E desejo ardentemente tudo de volta. Sinto raiva, sinto ódio e sinto vontade de arremessar qualquer coisa que estiver a minha frente. Quero que isso acabe. Quero que todas essas lembranças possam ir embora. Eu não sou a mesma garota que eu já fui um dia. Não sou aquela garota cheia de planos e com a vida pela frente. Sou apenas uma garota que perdeu tudo. Uma garota que olha pela janela imaginando como as outras pessoas se sentem com medo de me encarar.

 Não demorou muito tempo para que o que eu mais tinha medo me alcançasse e quando me alcançou não pude acreditar. Talvez bem lá no fundo eu talvez soubesse e só não conseguia me deixar ver. Pude ver claramente por alguns segundos tudo que eu me fiz esquecer. Toda a ideia errada que tive. Todas as ilusões que criei. Tudo que pensava ser minha culpa e nunca foi. Não de verdade. Me fizeram acreditar que era por mim. Que eu era responsável e eu acreditei porque não conseguia me lembrar. Não conseguia distinguir. Mas agora que eu me lembro só me sinto com vontade de seguir em frente. Deixar essas lembranças pra trás. Esquecer de quem eu fui antes, de quem fui por um tempo agora e ser outra pessoa. Uma completamente diferente da que eu queria de volta. Por isso me sento em um lugar diferente e não olho mais para a janela. Não observo mais as coisas, não imagino vida alheias. Quero pensar na minha própria. Eu sou apenas uma garota que precisa ir em frente. Apenas uma garota no trem. 

Inspirado pela história do livro e do filme " A garota no trem" escrito por Paula Hawkins e inspirado também nos sentimentos de Rachel 

RESENHA: JANE AUSTEN ROUBOU MEU NAMORADO


17 setembro 2017


Antes de começar essa resenha, quero que me tirem uma duvida sobre o titulo desse livro. De inicio eu li imaginando muita traição e encontrei um romance leve e divertido. Obvio que isso não é ruim, eu só não entendi o porquê do nome em questão, passei por todos os capítulos esperando algo drástico, mas não encontrei nada que remete ao nome do livro em si. Se alguém souber, eu gostaria muito de entender hehe

Vamos para a resenha em si. O livro é uma especie de diário secreto (dã) da prima de Jane Austen. Jenny, a dona do diário, está apaixonada pelo capitão Williams e ambos querem se casar, mas seu irmão e tutor, junto com sua esposa horrível que eu odeio de todo o meu ser, negam fortemente. A partir dai Jenny conta com os sábios conselhos de sua prima e ambas irão se envolver em escândalos que só Deus sabe se poderiam ser bons ou ruins.


A trama é basicamente essa, aventuras, escândalos, diversão, diálogos que nos fazem pensar. Não sei se é por ser uma grande fã de Jane Austen ou por simplesmente não ter curtido o desenvolvimento da historia em si, mas o livro não conseguiu me conquistar como achei que faria.

Pra começar teve muita coisa, problemas sendo resolvidos de um jeito simples demais, parecia que a autora corria com a historia, mas o ponto alto é que eu simplesmente amei a relação das duas primas. Eu consegui imaginar facilmente a Jane que escreveu aqueles livros maravilhosos e vi a prima, a esposa Augusta, e vários personagens como inspiração para tantos outros que ela já criou. Isso sim conseguiu me envolver. Pensar na própria realidade de Jane Austen.

É claro que muita coisa foi ficção, mas fiquei muito contente e ver passagens que aconteceram de verdade e isso foi um ponto a mais para a leitura. No geral, a historia em si foi prazerosa, não tanto quanto eu gostaria, mas não me deixou com aquela vontade de largar o livro. Pelo contrário, mesmo tanta confusão acontecendo rapidamente ainda quis chegar na ultima linha.


LIVRO: JANE AUSTEN ROUBOU MEU NAMORADO
AUTORA: CORA HARRISON 
PÁGINAS: 283 
NOTA:           
EDITORA: ROCCO 
LIVRO ENVIADO PARA RESENHA

RESENHA: QUANDO A BELA DOMOU A FERA


14 setembro 2017


Nesse livro encontraremos a historia de Piers Yelverton, um homem que mostra a todo momento o porquê do seu apelido. Fera. Diz muito sobre ele. Vive com raiva, tem uma resposta afiada pra cada pergunta e vira e mexe assusta muitas pessoas. Isso porque alem de ser um bruta montes malo educado, ainda possui um defeito na perna devido a um acidente causado na infância. Agora ele vive com uma bengala e a dor é insuportável.

Ele não é o tipo de cavaleiro ideal para uma dama, ainda mais se a dama for uma, senão a mais bonita de todas. Linnet é o exemplo de perfeição.Além de um copro bastante curvilíneo, ainda é de uma inteligencia extravagante, do tipo que não se deixa abater por comentários maldosos. Porém, todo o seu sucesso na temporada recai sobre seus atos. Mesmo que não sejam tão verdadeiros. Agora ela terá que encontrar um marido antes que sua imagem seja destruída. Mas como? Se todos os cavaleiros deixaram de visitá-la? Bom, situações desesperadas pedem medidas desesperadas.

Com um convite de um velho duque ela se vê longe da terra que nasceu, mas principalmente, longe de todo o escândalo que a percorria. Agora ela só teria que conquistar o coração do filho dele, mas aquilo não seria difícil, afinal ela era... não, ela é a mais bela de Londres. O coração de Piers seria dela.


Pelo menos era o que ela pensava antes de conhecê-lo.

Quando a Bela domou a Fera é o tipo de livro que te arranca suspiros e te deixa morrendo de raiva. Na verdade, eu tive uma boa mistura de sentimentos, cheguei até a chorar. Fiquei me perguntando como aquilo era possível? Toda a confusão de sentimentos, toda a beleza da historia. Li o livro em uma sentada e não consegui desgrudar até percorrer o sentimento de nostalgia com a ultima linha. E quando terminei queria ler de novo no mesmo instante.

Um livro que traz mais que uma historia de amor, é uma historia sobre a verdadeira beleza e sobre o verdadeiro amor. O amor sem a extravagancia das aparências, só o puro e simples afeto. Com certeza virou um dos meus favoritos do ano!


LIVRO: QUANDO A BELA DOMOU A FERA
AUTORA: ELOISA JAMES 
PÁGINAS: 311
NOTA:           
EDITORA: ARQUEIRO
LIVRO ENVIADO PARA RESENHA

RESENHA: O TREINADOR DO MEU SOBRINHO


11 setembro 2017


Duda é uma mulher de 28 anos, independente, pé no chão, que não se arrisca no amor. Ela sabe muito bem que quando isso acontece alguém acaba saindo ferido, sendo assim, ela prefere seus momentos noturnos rápidos de curtição. Não é do tipo que se prende a homem. Bem diferente da sua irmã, que é mãe de Igor. 

Seu sobrinho pede para que ela faça um book do torneio mundial de tênis que ele irá participar e como fotografa ela não hesita em aceitar. Na viagem, enquanto tira algumas fotos do carnaval que estava acontecendo, ela encontra um homem misterioso. Um muito bonito por sinal, mas bastante irritante que teve a audácia de beijá-la sem pudor algum. 

E qual é a surpresa dela quando esse mesmo cara é o treinador de Igor? Aquele que seu sobrinho falava ser perfeito para ela, já que também não é de levar a vida muito a sério.


Mesmo negando, Duda não consegue esconder a forte atração que sente por Andre e isso poderia trazer grandes problemas, ainda mais se esse homem esconder alguns segredos? Ela seria capaz de perdoar? Aliás, será mesmo que o amor tudo perdoa?

Uma coisa eu não nego: Gostei muito da historia. Apesar de bastante curta (poderia rolar um acréscimo de detalhes, falar mais dos personagens, etc) foi algo gosto de ler. Um livro para devorar em apenas uma tarde. Também adorei a protagonista, a historia toda gostei muito dela, mas no final ela se tornou muito irritante. Vai saber. Isso poderia ser uma consequência do amor que ela jurou não sentir? Bem provável.

O treinador do meu sobrinho, apesar de dar a impressão de algo mais caliente, é uma historia repleta de sentimentos e confusão. Mesmo achando algumas partes da historia meio corridas, a ideia central não se perdeu.


LIVRO: O TREINADOR DO MEU SOBRINHO
AUTORA: VANESSA GRAMKOW
PÁGINAS: 146
COMPRE AQUI 
NOTA:        
EDITORA: ELLA
LIVRO ENVIADO PARA RESENHA
© Kézia Martins / Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design
Tecnologia do Blogger.